Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos não é afectada pelo armazenamento de bagaço
Publicado | 2019-12-11 04:30:54
 
Segundo a Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal, (CONFAGRI), a campanha de produção de azeite que está a decorrer será a maior de sempre, desde que existem registos. Prevê-se uma produção superior a 140.000 toneladas de azeite.
 
No entanto a produção está a criar uma situação grave em relação à recepção de bagaço. 
As três grandes unidades de recepção de bagaço de azeitona proveniente dos lagares que processam toda a azeitona produzida no Alentejo têm a sua capacidade estática de armazenamento praticamente esgotada.
O sector Cooperativo, através da FENAZEITES e sua associada União de Cooperativa Agrícolas,( UCASUL),  tem vindo há já bastante tempo a sensibilizar as entidades responsáveis para a possibilidade desta grave situação poder ocorrer.
O presidente da Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos, José Duarte, explicou à Planície que esta situação não afecta a instituição. “A Cooperativa é uma das sócias da UCASUL e na reunião de ontem, confirmaram que estão com a sua fábrica perto do limite de laboração. No entanto asseguraram que para o caso da Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos haveria sempre capacidade de recepcionar todo o bagaço que nós produzimos. Nós vamos laborar normalmente. É um problema que, para já, não se levanta para a nossa cooperativa.”
A CONFAGRI e a sua associada FENAZEITES, adiantam que já está agendada uma reunião a realizar com a Ministra da Agricultura, com o objectivo de analisar a situação e  procurar  uma solução.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
35 34
16 16
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda