Risco de pobreza no Alentejo de 16,9%
Publicado | 2019-05-13 04:20:09
 
A percentagem de pessoas em risco de pobreza em Portugal caiu para 17,3% em 2017, menos um ponto percentual do que no ano anterior. Entre 2013 e 2017 a taxa de risco de pobreza reduziu-se dois pontos percentuais, o que significa que 253 mil saíram do risco de pobreza monetária nos últimos quatro anos.
 
Os dados do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, cujos dados foram confirmados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), revelam uma melhoria das condições de vida e rendimento da população portuguesa a partir de 2015, corroborando a evolução positiva da situação económica e social nos anos mais recentes, assente na devolução de rendimentos, na diminuição do desemprego e crescimento do emprego, na valorização dos salários e no aumento da protecção social.
No Alentejo, o risco de pobreza foi de 16,9%, apenas ligeiramente inferior à média nacional.
O INE sublinha que “a região do Alentejo era aquela em que relativamente menos pessoas viviam em situação de privação material severa (32 mil pessoas, o que equivale a 4,5% dos residentes na região)”.
No que se refere à distribuição de rendimentos o Alentejo registava uma maior paridade em relação ao resto do País. 
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
35 35
16 18
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda