Serpa poderá ter estado nos primórdios do Exército português
Publicado | 2018-04-29 15:24:51
 
Uma milícia de besteiros, oriunda de Serpa, pode ter estado nos primórdios do Exército português, bem como na preservação daquilo que hoje são as fronteiras do nosso País.
 

A história remonta aos finais do século XIII, com a participação da milícia de besteiros do Conde de Serpa, no cerco de Portalegre, em 1299. Depois desta batalha, o Rei D. Dinis, como forma de reconhecer a estratégia e organização utilizada, ordenou que todas as milícias seguissem o modelo de Serpa e esta passou a ser a regra para que cada nova milícia fosse certificada e reconhecida.

Esta ideia foi avançada por João Gouveia Monteiro, docente da Universidade de Coimbra, orador convidado pelo Exército, a participar numa conferência realizada no passado dia 28 de Março, no Campus da Amadora da Academia Militar. Sob o tema “Reflexão crítica sobre as origens históricas do Exército Português”, o investigador trouxe a lume uma nova perspectiva sobre a origem do Exército Português e o envolvimento de homens de Serpa neste feito.

Tomé Pires, Presidente da Câmara Municipal de Serpa, destacou a importância que Serpa teve na manutenção das fronteiras portuguesas.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
23 21
11 12
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda