Festival «Terras Sem Sombras» inicia 14ª edição em Vidigueira
Publicado | 2018-02-14 03:23:58
 
O festival do Baixo Alentejo que une a programação musical, clássica e tradicional, a actividades de valorização do património e de salvaguarda da biodiversidade, está de volta para uma nova temporada, que se estende até Julho.
 
O arranque desta 14.ª edição vai ser já a 17 de Fevereiro na Vidigueira, “terroir” de sublimes vinhos, onde a cultura e natureza andam de mãos dadas ao longo de paisagens de cortar a respiração.

O Terras sem Sombra propõe uma experiência aberta a todos os sentidos, convidando os espectadores em cada fim-de-semana a viverem um programa aliciante, que associa a descoberta de notáveis repertórios e intérpretes à visita a monumentos extraordinários, geralmente inacessíveis ao público, e à participação em acções de salvaguarda da biodiversidade.

À Planície José António Falcão, Director Geral do Festival, avançou que as espectativas são muito altas.

A tarde de sábado, dia 17, é dedicada, a partir das 14h30, a conhecer uma propriedade particular, o convento carmelita de Nossa Senhora das Relíquias. Vasco da Gama, o célebre navegador, 1.º conde de Vidigueira, faleceu em Cochim, na Índia, em 1524. Os restos mortais do almirante vieram para a igreja deste convento, em 1539, e aí estiveram até à sua trasladação para o mosteiro dos Jerónimos, em 1880. Cuidadosamente preservada, a velha casa religiosa é um tesouro de arte. A orientação da visita está a cargo dos proprietários, Mário, Susana e Filipa Maia e Silva, e do arquitecto José António Falcão.

A igreja matriz de Vila de Frades, às 21h30, recebe o Vaszy Viktor Kamarakórus, o Coro de Câmara da Ópera Nacional e da Catedral de Szeged, sob a direcção de Sándor Gyüdi. A iniciativa resulta da parceria do Festival com a Câmara Municipal e a Adega Cooperativa locais, além do Turismo do Alentejo e do Ministério da Cultura.

A manhã do dia 18, a partir das 10h00, é votada às tradições vitivinícolas da região. Sob a orientação de Virgílio Loureiro, professor no Instituto Superior de Agronomia de Lisboa e José Miguel Almeida, agrónomo e presidente da Adega Cooperativa, mas também de produtores, vão ser percorridas vinhas centenárias, de onde provém a uva utilizada no célebre vinho de talha ou “petroleiro” – um vinho medieval feito com tecnologia romana. Participar na poda, na época própria para isso, e confrontar práticas antigas e modernas, eis o desafio lançado aos voluntários do Festival.

Nascido em 2003, o projecto Terras sem Sombra resulta de uma iniciativa da sociedade civil. Tem como promotora a associação Pedra Angular e resulta da parceria entre várias entidades. O festival passa este ano pelos concelhos de Sines, Santiago do Cacém, Ferreira do Alentejo, Odemira, Serpa, Mértola, Barrancos, Elvas e Beja, de 17 de Fevereiro a 8 de Julho. Todas as actividades são de acesso livre.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
33 32
13 14
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda