Seca: Produção de Azeite pode registar quebra na quantidade
Publicado | 2017-10-09 04:54:41
 
Portugal continua a ser fustigado pela situação de seca que se faz sentir.
 
O Alentejo não é excepção, na região onde a actividade económica mais relevante é a agricultura há largos meses que não chove o que está a comprometer algumas culturas como é o caso dos olivais, mesmo para aqueles que estão a beneficiar do regadio. O problema é que as temperaturas são altas e provocam um amadurecimento do fruto, que depois não terá o teor de óleo que teria com as condições climatéricas normais. 

Luís Crisóstomo, da Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos, explicou à Planície que a Cooperativa encara a situação com preocupação, uma vez que não chove, já em 2016 se verificou uma situação de ausência de chuva, o que afecta o olival tradicional, mas também o olival de regadio.

O mesmo responsável recorda que este ano se previa uma grande campanha, uma campanha de safra, no entanto com a falta de água que se tem verificado e a ausência desta nos solos, a expectativas poderão não se concretizar, já que a falta de água poderá levar a uma redução da quantidade de azeite.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
27 26
13 13
 
 

Nome:

Email:

 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda