Ordem dos Médicos preocupada com saída da ULSBA de clínicos de Saúde Pública
Publicado | 2020-11-27 04:34:20
 
Dois médicos de saúde pública da ULSBA, candidataram-se a um concurso de mobilidade e ficaram colocados na Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, para onde vão ser transferidos.
 

Se os especialistas não forem substituídos, a terceira médica interna não poderá continuar na ULSBA sem tutor e terá de sair para continuar a formação na especialidade noutra unidade de saúde. 

O Presidente do Conselho Sub-Regional de Beja da Ordem dos Médicos, Pedro Vasconcelos, em declarações à Planície referiu que vê esta situação “com muita preocupação, porque não sendo substituídos e saindo numa altura tão complicada, como esta que ainda estamos a viver, naturalmente que todos os problemas que até agora existiam, acresce mais este”. E adianta “tudo o que é gestão de determinados dados, que são específicos da Saúde Pública, nomeadamente em termos de aconselhamento de pessoas, que estão em certas situações e que precisam de orientações, como também em termos de gestão de dados, propriamente ditos  e de registos, a situação se já era difícil com esses colegas cá, sem eles, tornar-se -à muito complicado”.

“Vimos com muita preocupação, lamentamos que isto aconteça. Não ponho em causa a legitimidade de os colegas saírem, mas acontecer numa altura destas, de facto trás dificuldades muito grandes”. Realça Pedro Vasconcelos, finalizando a dizer que “estes clínicos não podem ser substituídos por médicos de outras especialidades e, sabendo nós, que há dificuldades em geral de médicos de Saúde Pública, não sei como é que isso poderia ser colmatado. A Tutela, com certeza, estará a tratar do assunto, esperamos nós, para que muito rapidamente esta falha e lacuna deixe de existir”.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 19
13 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda